Inter se une a Corinthians e Grêmio e faz apelo na Polícia

O Internacional se juntou com alguns rivais de dentro de campo para promover algumas mudanças e pedir ações da polícia em alguns casos. A falsificação de camisas é um motivo de muitas perdas aos clubes, que acabam tendo prejuízo em suas marcas. Por isso, depois de uma solicitação de alguns clubes brasileiros e da CBF, […]

Inter se une a Corinthians e Grêmio e faz apelo na Polícia



O Internacional se juntou com alguns rivais de dentro de campo para promover algumas mudanças e pedir ações da polícia em alguns casos. A falsificação de camisas é um motivo de muitas perdas aos clubes, que acabam tendo prejuízo em suas marcas. Por isso, depois de uma solicitação de alguns clubes brasileiros e da CBF, a polícia fez algumas ações.Trending:Prodígio da base pode ganhar chance no time principal do InterDe acordo com informações do Blog do Perrone, as representações foram realizadas por Corinthians, Palmeiras, Santos, Internacional, Grêmio, Coritiba e Flamengo, e resultaram em algumas batidas da Polícia Civil de São Paulo. As ações aconteceram em nove fábricas do interior e da capital do estado, servindo para apreender 50 mil produtos piratas.Trending:Johnny chama atenção de gringos e destino deverá ser longe do InterSegundo levantamento, a circulação desses produtos resultaria em um prejuízo total de R$ 7,5 milhões às vítimas. O delegado Wagner Carrasco, da delegacia responsável pela operação comentou a operação. “Encontramos peças de vestuário, especialmente camisetas, patches com símbolos de clubes de futebol e algumas telas para confecção de camisetas”, disse.Trending:Qual é o objetivo do Inter nesta reta final de Série A?“Nós estimamos que foram apreendidos cerca de 50 mil produtos. Os clubes e a CBF avaliam que esses artigos poderiam causar um prejuízo de cerca de R$ 7,5 milhões para eles em virtude de deixarem de comercializar e de recolher os direitos inerentes a essa comercialização”, complementou Carrasco.Trending:Torcida do Inter deixou Pelé encantado após show na final

Corinthians se manifestou sobre o caso

Ricardo Magno Bianchini da Silva, superintendente jurídico do Corinthians também chegou à comentar a operação e também o momento dos campeonatos que favoreceria a procura pelos produtos.“A importância dessa ação é que, na situação em que alguns times estão hoje, Flamengo, em finais, Corinthians, na final da Copa do Brasil, Palmeiras, à beira de um campeonato vitorioso (Brasileirão), CBF, às vésperas de uma Copa do Mundo, a gente sabe que a produção desses produtos piratas aumentam. Muita coisa foi apreendida”, disse.Trending:Qual é o objetivo do Inter nesta reta final de Série A?



Matéria Origial