Bolsonaro volta a chamar para atos em 7 de setembro e nega que busque fechar Poderes Por Reuters

© Reuters. Presidente Jair Bolsonaro no Congresso Nacional 14/07/2022 REUTERS/Adriano Machado Por Lisandra Paraguassu (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro voltou nesta terça-feira a convocar seus apoiadores para manifestações no dia 7 de setembro, mas descartou que o protesto seja para “fechar isso ou aquilo” e garantiu que haverá eleições neste ano. “Ninguém quer dar […]

Bolsonaro volta a chamar para atos em 7 de setembro e nega que busque fechar Poderes Por Reuters



© Reuters. Presidente Jair Bolsonaro no Congresso Nacional
14/07/2022 REUTERS/Adriano Machado

Por Lisandra Paraguassu
(Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro voltou nesta terça-feira a convocar seus apoiadores para manifestações no dia 7 de setembro, mas descartou que o protesto seja para “fechar isso ou aquilo” e garantiu que haverá eleições neste ano.
“Ninguém quer dar golpe, vai ter eleição. Mas queremos transparência”, disse o presidente em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, na qual repetiu as alegações falsas e sem fundamentos que faz frequentemente sobre o sistema eleitoral brasileiro e as urnas eletrônicas.
Bolsonaro alegou que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) convidou as Forças Armadas para participar da comissão de transparência eleitoral e disse, equivocadamente, que a corte se recusou a aceitar sugestões feitas pelos militares.

“Nunca havia convocado movimento de rua, mas estamos convidando agora para o 7 de setembro”, afirmou. “Da nossa parte não queremos protesto para fechar isso ou aquilo.”
Nos grupos bolsonaristas, no entanto, os ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e aos ministros da corte continuam e são um dos temas das convocações para os protestos. Em outras manifestações de apoiadores de Bolsonaro no passado simpatizantes pediram o fechamento do Supremo e uma intervenção militar no país.
Na entrevista, Bolsonaro chamou o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, de “mentiroso” e “criminoso” e classificou as declarações dadas na véspera pelo presidente do Supremo, Luiz Fux, favoráveis e elogiosas às urnas eletrônicas, de “no mínimo equivocadas” e “fake news”.



Matéria Origial

Relacionados