Antonia comenta retorno à Seleção Brasileira

O Brasil estreou com goleada na Copa América feminina, no último sábado. Diante da Argentina, as brasileiras venceram por 4 a 0, tirando elogios da treinadora Pia Sundhage, que parabenizou a equipe. A técnica valorizou o jogo e falou sobre a importância da estreia. “Estou muito orgulhosa da equipe por marcar quatro gols, no primeiro […]

Antonia comenta retorno à Seleção Brasileira



O Brasil estreou com goleada na Copa América feminina, no último sábado. Diante da Argentina, as brasileiras venceram por 4 a 0, tirando elogios da treinadora Pia Sundhage, que parabenizou a equipe.
A técnica valorizou o jogo e falou sobre a importância da estreia.
“Estou muito orgulhosa da equipe por marcar quatro gols, no primeiro jogo, contra uma boa equipe como a da Argentina. Foi um ótimo começo, e foram quatro gols fantásticos. Todos sabem que a estreia traz certo nervosismo, mas foi um grande primeiro passo para o Brasil na Copa América”, disse.
Além disso, a sueca falou mais taticamente sobre o confronto. Para Pia, o ataque funcionou, mas ainda existem a ajustes para serem feitos na equipe.
“Tentamos espaçar a defesa argentina e desafiar suas linhas o máximo possível. Isso começa quando você domina o meio campo, e nossas opções de ataque foram muito bem. Acho que perdemos a posse um pouco mais do que deveríamos. Precisamos melhorar a manutenção de posse e chegar à área mais vezes. A penetração na linha e o último passe são aspectos com margem para melhora, mas foi o primeiro jogo, então estou muito satisfeita com o desempenho delas e espero que melhore mais e mais”, analisou.
Adriana em destaque
Quem se destacou na vitória foi Adriana. Em sua estreia pela Seleção Brasileira, a jovem atleta do Corinthians fez dois dos quatro gols da partida. Pia elogiou bastante a Maga e a reformulação do elenco.
“É um time jovem e algumas das líderes do grupo, incluindo eu mesma, nunca jogamos a Copa América. E isso é ótimo, mas também explica por que às vezes elas perdem a bola ou ficam um pouco nervosas. Acho que estamos começando uma nova jornada e espero que ela nos leve à nossa medalha algum dia. Em dois ou três anos, se jogadoras como Adriana e outras estiverem mais conectadas, seremos imparáveis”, avaliou a técnica.
“Adriana teve azar de se machucar logo antes de competições importantes, mas estou muito feliz por ela, porque é uma ótima jogadora de ataque que pôde marcar dois gols em seu primeiro jogo na Copa América. Para mim, foi muito especial e sei que marcando gols ela ganhará confiança e jogará cada vez melhor”. finalizou falando sobre o retorno da jogadora contusões.

Pia quer fazer história

A sueca projetou os próximos passos da Seleção Brasileira, mas mirou alto ao falar de metas para o futuro do futebol feminino.
“O mais importante é classificar para a Copa do Mundo. Eu também gostaria que esse time revolucionasse o futebol feminino no Brasil. Todos falam hoje de pagamento igualitário, o que é excelente, mas nós também precisamos de tratamento igualitário. Se nós, de alguma forma, pudermos popularizar a modalidade e desenvolvê-la, torná-la mais atrativa… essa vitória é muito maior que uma medalha”, disse a treinadora.
Pia falou, ainda, sobre o crescimento da modalidade no continente em comparação com a Europa.
“Se a América do Sul tiver uma competição mais acirrada, mais equipes sul-americanas vencerão jogos na Copa do Mundo. Se você observar a parte técnica, poderia citar o Chile ou a Argentina, por exemplo, que é um time muito coeso, creio que há um futuro brilhante pela frente. E uma competição como a Copa América é muito importante para colocar o futebol feminino no mapa”, concluiu.



Matéria Origial